• LinkedIn - Círculo Branco
  • Facebook - White Circle

Mercado Advocacia - Sociedade inscrita na OAB/SP 15.830, inscrita no CNPJ/MF sob nº 21.495.242/0001-73

Avenida Paulista, 171 - 4º andar - Bela Vista - São Paulo - SP

Referência: próximo ao Metrô Brigadeiro - Contato: tel. (11)  3042 - 5702 -

e-mail: jlima@mercadoadvocacia.com.br

Consulte nossos Termos de Uso do Site

Posts Em Destaque
Please reload

Lojista de marketplace ganha indenização por reprodução não autorizada das imagens dos seus produtos

 

 

 

Muitos lojistas de marketplaces, como o Mercado Livre, B2W e outras plataformas são surpreendidos por concorrentes que utilizam sem autorização as imagens dos seus produtos.

 

Normalmente, os lojistas possuem diversos custos com o tratamento personalizado de imagens de divulgação, ou mesmo produzem as imagens com fotógrafos próprios, de forma a não incorrer em irregularidades.

 

Todavia, lojistas inexperientes agem de forma inescrupulosa, subtraem imagens de outros lojistas para divulgar seus produtos, incorrendo em ilegalidades e lesões de direitos de terceiros.

 

Em nossa visão, é possível até mesmo enquadrar esta conduta, dentre outros dispositivos legais, como desvio fraudulento de clientela, conforme previsto no Art. 195, III da Lei de Propriedade Intelectual, que nos orienta:

 

Art. 195. Comete crime de concorrência desleal quem:

 

       III - emprega meio fraudulento, para desviar, em proveito próprio ou alheio, clientela de outrem;

        IV - usa expressão ou sinal de propaganda alheios, ou os imita, de modo a criar confusão entre os produtos ou estabelecimentos;

 

Pela legislação brasileira cabe ao autor o direito exclusivo de utilizar, fruir e dispor da obra literária, artística ou científica(art. 28, da Lei n.º 9.610/98, e a autorizar prévia e expressamente a sua utilização por qualquer modalidade existente ou que venha a ser criada, do que decorre seu direito patrimonial.

 

O campo do Direito de Autor, conforme expressa disposição do art. 29 da Lei n. 9.610/1998, a utilização da obra, por qualquer modalidade, depende de autorização prévia, resultando em contrafação a divulgação de um quadro ou imagem fixa de um produto audiovisual sem autorização e sem o nome do autor.

 

Neste sentido, foi julgado o processo n 1013869-22.2014.8.26.0196, que no caso concreto, um empresário do ramo de joalheria, especializado na criação,fabricação e venda de alianças, e como fotógrafo amador produz vídeos e imagens para divulgação de suas alianças e joias, utilizando-se de câmeras digitais de alta resolução e computadores de última geração, foi prejudicado por outra joalheria situada na cidade de Guarulhos, que utilizou de uma imagem de alianças extraída de seu vídeo, para divulgação em site próprio e no Mercado Livre, sem autorização ou crédito da autoria.

 

Neste caso, o juiz condenou o lojista que copiou a imagem a não utilizar as imagens questionadas e também retirar da Internet, além do pagamento de danos morais de R$ 5.000,00, custas e honorários advocatícios.

 

O Réu recorreu para segunda instância, mas o Tribunal manteve a condenação com o seguinte argumento: 

 

"Caracteriza-se o dano moral pelo uso indevido da obra artística ou literária, ainda que parcial."

 

Assim, com a documentação e provas de autoria de imagens na Internet, é possível requerer judicialmente a exclusão das imagens indevidamente reproduzidas, além de pleitear danos morais, proporcionais à ofensa.

 

Caso possua qualquer dúvida se o seu caso se enquadra nas possibilidades de reparação de danos morais, entre em contato conosco.

 

 

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Facebook
Posts Recentes
Please reload